Tributos

IRPF 2021 sem mistério!

linha branca separando divs
facebook buton share
whatsapp buton share

Em 2021, como em todo ano, de março a abril, é a hora de declarar seu imposto de renda. Em 2020 tivemos um ano atípico, e a Receita Federal prorrogou o prazo de entrega. Porém, em 2021 não há essa previsão, apesar da pandemia ainda presente, não conte com um prazo que não vai existir, prepara tudo aí e entrega essa declaração!!! Porque se atrasar e não entregar, pode pagar multa....e tudo que não queremos é ver nosso querido dinheirinho indo pro ralo!!!

Confirma aí se você está no grupo de contribuintes obrigados a declarar!

Introdução

Além do calendário ter voltado ao normal em 2021, a tendência é que um maior número de pessoas sejam obrigadas a declarar. Dentre um dos motivos, a exigência de declaração de quem recebeu auxílio emergencial e receberam outros rendimentos tributáveis de no mínimo R$ 22.847,76.

Então, é importante não deixar para a última hora! Geralmente, nos últimos dias do prazo o sistema costuma ficar sobrecarregado e instável, e aí, pode ser um estresse ficar tentando enviar as informações e fazer o que precisa ser feito!

DECLARE SEU IRPF NO CONFORTO DA SUA CASA

Saiba se você precisa declarar

A primeira coisa a fazer, é identificar se você está obrigado a entregar a declaração do IRPF 2021. E pra isso, listamos aqui as situações, pra você já verificar se alguma delas se aplica à sua realidade:

Vamos começar pela novidade:

· Se você recebeu o Auxílio Emergencial em função da Covid-19 e, além disso, teve rendimentos tributáveis iguais ou superiores a R$ 22.847,76.**

· Se você recebeu rendimentos tributáveis acima de R$28.559,70 durante o ano de 2020, como salários, comissões, férias, honorários, pró-labore, pensão, receita com aluguel de imóveis, por exemplo.

· Se você recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte superiores a R$40.000,00 durante 2020, como por exemplo: salário-família, alimentação e transporte fornecidos pela empresa gratuitamente, indenizações, reembolso de viagens em geral, dentre outros.

· Se você recebeu em qualquer mês, dinheiro por conta da alienação de bens e direitos (em que tenha incidência de IR) ou realizou operação em bolsas de valores, mercadorias, futuro ou similares;

· Se você somou bens ou direitos no valor total superior a 300 mil até 31/12/2021 (somando todos os bens);

· Se você vendeu um imóvel residencial e obteve ganho na operação, mesmo que tenha comprado outro imóvel em um prazo de 180 dias e usou da regra de isenção do imposto de renda;

· Se você passou à condição de residente no Brasil e se mantive assim até 31/12/2020;

· Se você exerce atividade rural e teve receita bruta acima de R$142.798,50 ou pretende compensar prejuízos de anos anteriores ou até mesmo de 2020.

Saiba quais os documentos necessários

Chegou o momento de organizar toda a documentação para declarar!

Documentos pessoais:

· Dados da conta bancária para restituição ou débitos das cotas de imposto apurado, caso haja;

· Identidade e CPF;

· Título de eleitor;

· Nome, CPF, grau de parentesco dos dependentes e data de nascimento;

· Endereço atualizado;

· Cópia da última Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (completa) entregue;

· Atividade profissional exercida atualmente.

Renda:

· Informes de rendimentos de instituições financeiras, inclusive corretoras de valores;

· Informes de rendimentos de salários, pró-labore, distribuição de lucros, aposentadoria, pensão etc.;

· Informes de rendimentos de aluguéis de bens móveis e imóveis recebidos de pessoas jurídicas;

· Informações e documentos de outras rendas percebidas no exercício, tais como rendimento de pensão alimentícia, doações, heranças recebidas no ano, seguro desemprego, saque do FGTS, ações judiciais/trabalhistas dentre outras;

· Notas fiscais e guias de IRRF e INSS de serviços prestados como autônomo;

· Resumo mensal do livro caixa com memória de cálculo do carnê-leão (caso haja);

· DARF’s de carnê-leão (caso haja).

Bens e direitos:

· Documentos que comprovem a compra e venda de bens e direitos efetuadas ao longo de 2020 – imóveis, contas-correntes, aplicações financeiras, veículos etc.;

· Para imóveis, data de aquisição, área do imóvel, inscrição municipal (IPTU), registro de inscrição no órgão público e registro no cartório de imóveis;

· Para automóveis, o número do RENAVAM e/ou registro no órgão fiscalizador correspondente.

Dívidas e ônus:

· Informações e documentos de dívidas e ônus contraídos e/ou pagos no ano de 2020;

· Renda variável;

· DARF de renda variável;

· Controle de compra e venda de ações (com apuração mensal de imposto).

Renda variável:

· Controle de compra e venda de ações, inclusive com a apuração mensal de imposto;

· DARF’s de renda variável.

Pagamentos e doações:

· Recibos de pagamentos ou informe de rendimento de plano ou seguro-saúde (com CNPJ da empresa emissora e a indicação do paciente);

· Despesas médicas e odontológicas em geral (com CNPJ da empresa emissora ou CPF do profissional e a indicação do paciente);

· Comprovante de despesas com educação (com CNPJ da empresa emissora e a indicação do aluno);

· Comprovante de pagamento de Previdência Social e Previdência Privada (com CNPJ da empresa emissora);

· Recibos de doações efetuadas;

· GPS (ano todo) e a cópia da carteira profissional de empregado doméstico;

· Comprovantes oficiais de pagamento para candidato político também devem ser declarados.

Saiba o que pode ser deduzido

Você tem a possibilidade de entregar a sua declaração em dois modelos: a declaração simplificada, que deduz 20% da base de cálculo do imposto, até o limite de R$16.754,34 (onde você não precisa detalhar todos os valores dedutíveis), e a declaração completa, que considera todas as despesas dedutíveis que você teve durante o ano de 2020.

Para garantir, informe todos os documentos na declaração e guarde os comprovantes, assim você pode comparar qual é o modelo mais vantajoso de acordo com a sua situação. E, para analisar, saiba o que pode ser deduzido:

· Educação: As despesas com educação (infantil, ensino fundamental, médio e superior) do próprio contribuinte e seus dependentes podem ser deduzidas da base de cálculo do imposto, no limite de R$ 3.561,50 por pessoa. Lembre que material escolar, despesas com transporte, alimentação, cursos de idioma e preparatórios não podem ser incluídos no valor dedutível.

· Saúde: Todos os valores pagos em consultas, plano de saúde, internações, psicólogo, dentista, entre outras despesas médicas, podem ser deduzidos integralmente do imposto de renda, sejam os gastos do próprio contribuinte ou de seus dependentes, mediante a comprovação com notas fiscais e/ou recibos.

· Dependentes: O valor de R$ 2.275,08 por dependente pode ser deduzido com pais, filhos, enteados e companheiros, que podem ser adicionados como dependentes.

· Pensão Alimentícia: Esse valor pago pode ser deduzido quando for definido em decisão judicial ou acordo extrajudicial.

· Previdência Social ou Privada: Você pode deduzir todo o valor pago ao INSS em folha ou de forma autônoma, inclusive dos dependentes. A previdência privada do tipo PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) pode ser deduzida no limite de 12% da renda bruta anual tributável declarada.

Já tem tudo na mão? Já declarou?

Se você já fez o que precisa ser feito e entregou a declaração, é só aguardar os lotes de restituição e ficar tranquilo!

ASSINE NOSSA NEWSLETTER E
GANHE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

A contabilidade mudou bastante nos últimos anos, indo muito além de resolver burocracias típicas de um negócio, e se tornando uma poderosa ferramenta de gestão.

Escrito por

Flávia Souza, contadora e professora

A contabilidade mudou bastante nos últimos anos, indo muito além de resolver burocracias típicas de um negócio, e se tornando uma poderosa ferramenta de gestão.

Curtiu? Compartilhe

whatsapp buton share
facebook buton share

Gostou? Deixe seu comentário

POSTS RELACIONADOS

Fator R – O que você precisa saber?
IRPF 2021 sem mistério!