Gestão

Como preparar sua empresa para um novo ano?

linha branca separando divs
facebook buton share
whatsapp buton share

Mesmo estando sempre muito ocupados, o momento reservado para observar o que foi e o que queremos que seja tem que existir! E nesse momento, o seu negócio tem que estar incluído e ser olhado com muito carinho...Pensa comigo, é do resultado do seu negócio que você paga as contas, realiza sonhos, cuida da sua família, planeja investimentos! Com tantos aspectos a considerar, pode parecer muito complexo planejar tudo isso, e só de pensar já dá preguiça...Mas nunca, jamais caia na tentação de “deixar rolar” e simplesmente tocar a empresa no piloto automático.

Introdução

É normal (mas não quer dizer que seja certo!), o empreendedor finalizar um ano e deixar pra depois pensar o próximo ano. Sim, todo final de ano é estressante, cansativo, gasta até a última gotinha da nossa energia. Ok, você para, respira (só um pouquinho!) e aí vem o momento de planejar. Afinal, o tempo não para e a gente precisa aprender a usá-lo de forma mais inteligente, organizando a rotina e fazendo o que precisa ser feito!

E pra te ajudar a focar nos pontos mais relevantes, pontuei os 3 aspectos principais para que a sua empresa comece o ano organizada e pronta para faturar muito!

Vem pra contabilidade que te ajuda a crescer!

Analise, conheça os resultados do ano anterior

Quem vive de passado é museu, tudo bem...mas quando o assunto é planejamento (seja operacional, financeiro, estratégico etc.) é muito importante conhecer o passado para identificar pontos de atenção, melhorias, e direcionar os próximos passos.

Se você está começando um negócio agora e ainda não tem um histórico de desempenho em períodos anteriores, vai precisar de um pouco de criatividade para o ponto de partida, e para você que já tem uma empresa em funcionamento a palavra de ordem é: ANALISAR! Tá, mas...como se faz isso? Durante todo o ano você listou, enumerou, descreveu todas as movimentações financeiras da sua empresa. Agora é o momento de analisar tudo isso, ver como foi para planejar como será.

Você pode identificar em cada mês quais foram os gastos mais relevantes (por exemplo, no mês 1 eu paguei IPTU, no mês 3 eu paguei seguro...). Alguns gastos se repetem todo ano, e você já pode se organizar financeiramente para esses gastos. Da mesma forma você pode analisar as receitas e saber em que mês costuma vender mais, o que costuma vender mais em cada mês, assim você já tem uma ideia de o que comprar e quanto comprar em cada época do ano.

E se, mesmo com seu negócio em atividade há um tempo, você ainda não tem uma forma organizada de mapear, registrar, controlar as receitas e os gastos...partiu se mexer e começar a fazer! Tudo que a gente cuida, acompanha, controla: CRESCE! Crie o hábito de cuidar do seu financeiro, no começo parece ser difícil, chato, mas é muito necessário!

Use planilha, excel, aplicativo, sistema, o que for mais prático e acessível pra você, mas tenha algum apoio para não pirar tentando apagar incêndios com contas não previstas. Para te ajudar nessa organização, um conselho: bloqueie um horário todos os dias (20, 30 minutinhos) para revisar, ajustar e acompanhar esses registros.

Um plus nesse ponto: para que esse controle seja ainda mais efetivo, verifique com o seu contador qual a melhor forma de enviar as informações pra ele. Assim, além do seu controle financeiro em dia, a sua contabilidade será reflexo da realidade do seu negócio, e é exatamente essa a finalidade da contabilidade: INFORMAR sobre a saúde financeira e patrimonial da sua empresa. Alguns sistemas de gestão financeira se integram ao sistema contábil, e isso facilita muito a vida!

Planeje as receitas e custos previstos

Você já olhou para o passado, já conheceu o resultado do seu negócio no ano anterior, já sabe o que deu certo e vai continuar, o que não deu certo e vai parar, e então está preparado para um novo ano de trabalho e desafios. Calma aí! Antes de acelerar, vamos definir o destino da viagem!

Me conta, você está contente com a forma como você vem controlando e gerindo o seu negócio? O resultado tem sido satisfatório pra você, ou gostaria de mudar algo e não sabe bem como fazer?

Se teve algum não aí pra essas perguntas (sempre dá pra melhorar né!), senta com teu sócio (mesmo que seja o seu “eu” imaginário) e coloque no papel tudo que está na sua cabeça para o ano da sua empresa. Anotou tudo tudinho? Aí fica mais palpável para organizar as ideias e começar a transformá-las em ações!

Por exemplo, você vai planejar em que mês vai começar a ofertar um novo produto ou serviço, o que você vai precisar comprar/contratar para essa nova oferta, conhecendo a sua capacidade produtiva. Aí você percebe na prática a importância de acompanhar os resultados do seu negócio!

Junto com esse planejamento de o que fazer e quando fazer, você precisa detalhar como vai fazer. E um diferencial pra tudo isso funcionar corretamente é sempre conversar com o seu contador, para que, fiscal e legalmente, a sua empresa esteja apta para realizar todos os seus planos!

Defina o seu regime tributário junto com seu contador

Qual o regime tributário da sua empresa? Você sabe se é realmente o mais adequado para a sua atividade e o seu nível de faturamento? Essas duas perguntas simples resumem o que você precisa definir para economizar e não pagar impostos desnecessários!

O regime tributário de uma empresa é, basicamente, o conjunto de leis que define a tributação. O regime tributário é definido anualmente, até o final do mês de janeiro, e essa definição vale para todo o ano (a menos que algum limite seja extrapolado). Essa data serve tanto para optar pelo Simples Nacional como para mudar o regime tributário.

Mais uma vez: conversar com seu contador, para juntos decidirem o regime tributário adequado e tirar todas as suas dúvidas é fundamental para um ano bem planejado. Conversando antecipadamente com o seu contador é possível já fazer alterações necessárias para uma mudança de regime tributário.

Por exemplo: você é MEI, e já prevê que vai ultrapassar o limite de faturamento e passar a ser optante pelo Simples Nacional. Antes de uma surpresa e possíveis problemas com o fisco, você já conversa com o contador e planeja essa transição de forma segura!

Entendendo melhor: quem é enquadrado no MEI está automaticamente cadastrados no regime Simples Nacional. Se a previsão do faturamento anual ultrapassar R$ 60 mil, o empreendedor deverá apenas se desenquadrar do MEI e passar a recolher os tributos devidos.

Mudar o regime tributário pode gerar uma redução de impostos, principalmente no caso do Simples Nacional. Mas essa mudança deve ser sempre bem calculada, não há uma única forma de fazer, a decisão pode variar para cada empresa. São definições que dependem do tipo de sua atividade, do faturamento, da existência de despesas dedutíveis. Aí mais uma vez o acompanhamento financeiro e o conhecimento do contador são os instrumentos para decidir pelo regime tributário mais apropriado.

Com uma comunicação alinhada com o seu contador, controles e acompanhamentos em funcionamento, coloque o foco no que é mais importante: planejar e executar! Bem vindo a uma novo ano na sua empresa!

ASSINE NOSSA NEWSLETTER E
GANHE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

A contabilidade mudou bastante nos últimos anos, indo muito além de resolver burocracias típicas de um negócio, e se tornando uma poderosa ferramenta de gestão.

Escrito por

Flávia Souza, contadora e professora

A contabilidade mudou bastante nos últimos anos, indo muito além de resolver burocracias típicas de um negócio, e se tornando uma poderosa ferramenta de gestão.

Curtiu? Compartilhe

whatsapp buton share
facebook buton share

Gostou? Deixe seu comentário

POSTS RELACIONADOS

E o desempenho do seu negócio, como vai?
Infoprodutor precisa emitir nota fiscal?
Não faça isso!!!